Notícias do Litoral do Paraná

O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região determinou redução de tarifas de pedágio no Paraná

     O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) determinou a redução do preço das tarifas cobradas nas praças de pedágio das concessionárias Viapar e Caminhos do Paraná, no âmbito das investigações da Operação Integração I e II.

As reduções de 25,77% para a Caminhos do Paraná e de 19,02% para a Viapar correspondem ao somatório de degraus tarifários obtidos em aditivos recentes mediante pagamento de propina a agentes públicos, conforme o Ministério Público Federal (MPF). O cumprimento das decisões, das quais cabem recursos, deve ocorrer a partir da data de intimação das concessionárias.

A Viapar informou que não foi intimada e que só depois disso deve se manifestar. Em nota, a Caminhos do Paraná afirmou que não foi intimada e que se manifestará "após ciência formal dos termos da decisão". Conforme a decisão, está evidenciado que os compromissos contratuais assumidos pelas concessionárias não foram plenamente realizados, sendo comuns a postergação e a supressão de obras inicialmente como justificativas para o aumento das tarifas. O despacho do tribunal diz que as concessionárias "vêm se locupletando com benefícios indevidos às custas da coletividade desde o início da concessão, a redução tarifária pelo curto período faltante representa um mínimo a ser por elas suportado".

 

Praças de pedágio das concessionárias:

Viapar

  • Arapongas
  • Marialva
  • Presidente Castelo Branco
  • Floresta
  • Campo Mourão
  • Corbélia

 

Caminhos do Paraná

  • Prudentópolis
  • Irati
  • Porto Amazonas
  • Imbituva
  • Lapa

 

 

Investigações

As decisões, proferidas em 16 de abril, foram divulgadas nesta segunda-feira (22) pelo MPF e atendem a recursos feitos após o juiz da primeira instância negar liminar sobre a redução das tarifas.

Conforme o MPF, as ações que tramitam na Justiça Federal do Paraná têm como fundamento um esquema criminoso identificado nas investigações da Operação Integração, deflagrada no âmbito da Operação Lava Jato. Os processos apuram a prática de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal, estelionato e peculato na administração das rodovias federais do Paraná. As irregularidades, segundo o MPF, começaram em 1999, a partir de quando as concessionárias passaram a pagar propinas para manter a “boa vontade” do governo e dos agentes públicos na gestão das concessões. O TRF-4 também proibiu a celebração de novos aditivos que beneficiem as concessionárias, no intuito de impedir novos ajustes que suprimam obrigações já pactuadas, como a realização de obras ou a prorrogação de prazo dos contratos.

 

Vacinação preventiva contra Sarampo começa hoje em todo o ...

A partir desta quinta-feira (22), as crianças de seis meses a menores de 1 ano devem ser vacinadas contra o sarampo ...

Geral

Carro Clonado é Capturado Pela Polícia Militar em Guaratuba

      Na tarde desta segunda (19) após denuncia da Sec. de Segurança Pública de Guaratuba, os PM's abordaram um ...

Policial

Vereador Zé da Ecler tem mandato cassado após sessão que ...

Mesmo já tendo seu mandato extinto por ter faltado consecutivamente em 6 sessões extraordinárias conforme Decreto ...

Política

Mulher de vítima de sequestro em ônibus na Ponte ...

   A mulher de uma das vítimas que está dentro do ônibus que foi sequestrado e está parado na Ponte Rio-Niterói, na ...

Geral

Câmara de Matinhos decreta extinção do mandato do vereador ...

A Câmara Municipal de Matinhos, por meio da Mesa Diretiva, decretou, nesta segunda-feira (19), a extinção do mandato ...

Política

Em 2019 Justiça realiza 3.º júri popular de feminicídio em ...

       Os júris populares de crimes de feminicídio têm sido mais frequentes em Paranaguá. Somente neste ano, dois ...

Geral


 

 

 

 


 

 

 

 

Previsão do Tempo

 

booked.net