Notícias do Litoral do Paraná

Mulher de vítima de sequestro em ônibus na Ponte Rio-Niterói diz que foi avisada pelo marido

   A mulher de uma das vítimas que está dentro do ônibus que foi sequestrado e está parado na Ponte Rio-Niterói, na manhã desta terça-feira (20), disse que foi avisada pelo próprio marido que o ônibus em que ele está foi tomado por um sequestrador.

"Ele saiu para trabalhar 4h30. Quando foi por volta de 5h26 ele me mandou uma mensagem dizendo que o ônibus estava sendo sequestrado, ‘estamos indo para a ponte’. A princípio eu pensei que era um assalto. Eu levantei, acordei o meu filho e disse: ‘Seu pai está sendo assaltado’”, afirmou ao G1 Eliziane Terra, que chegou ligar para o 190 (telefone de emergência da polícia) para avisar sobre o sequestro.

Por volta das 6h, um homem armado e com gasolina faz reféns dentro de um ônibus na Ponte Rio-Niterói. Não se sabe a motivação do sequestrador nem quantas pessoas estão dentro do veículo, mas a PM considera que a ação foi premeditada. 

O marido de uma das reféns, que ainda estava no ônibus por volta das 8h50, disse que o sequestrador não ameaçava machucar os passageiros.

"Até agora, ele não ameaçou machucar ninguém, não ameaçou ferir ninguém. A apreensão dos pais dela, que estão em casa, é muito maior do que a minha, até porque é pai e mãe".

Segundo Elziane, depois de um tempo, o marido passou a visualizar as mensagens que recebe por meio de um aplicativo, mas não as responde. A informação dada pelos policiais de que o sequestrador teria gasolina e estaria ameaçando os reféns a assusta ainda mais. Ela disse que o marido e o filho já foram assaltados na linha da viação Galo Branco, mas essa situação é totalmente diferente. “Sempre roubam carteira e celular, mas esse tipo de coisa nunca aconteceu”, afirmou Eliziane Terra.

“Eu estou muito nervosa, pedindo para isso acabar. Já tenho informações de que o cara quer colocar fogo no ônibus, a gente lembra de casos que teve no passado e fica muito nervosa e pede a Deus para isso acabar.”

O marido de Eliziane costuma pegar o ônibus diariamente para ir trabalhar. Ao chegar ao Rio, ele ainda toma mais uma condução para chegar em Copacabana, na Zona Sul da cidade, onde dá expediente.

         “A gente está vivendo em uma terra sem lei. A gente sai para trabalhar e não sabe se volta. Meu filho sai para trabalhar, meu marido também. Eu oro todo dia a Deus, mas a gente está à mercê. A gente sabe que vai sair, mas não sabe se vai voltar”, afirmou a esposa do refém.

 
Fonte: G1

Vereadores aprovam Patrulha Maria da Penha

Trabalhando de forma integrada, foco da ação da GM é manter o agressor afastado.

Geral

Jogos da Juventude do Paraná é Cancelado

Por conta do Coronavírus a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte cancelou a edição 2020 dos jogos.

Geral

Operação Policial Contra o Tráfico Internacional de Armas é ...

A Polícia Federal (PF) iniciou a operação em 8 estados com base nas investigações apontando que armas eram importadas ...

Geral

29ª GINCANA DO CAMINHONEIRO: ANTONINA RECEBE ETAPA QUE ...

Antonina, a histórica cidade do litoral paranaense, receberá uma das comitivas da 29ª Gincana do Caminhoneiro, que ...

Geral

Noite de Quarta Termina com Incêndio em Guaratuba

Os bombeiros de Guaratuba foram acionados para combater um incêndio ambiental na pedras de Caieiras.

Geral

Novo Decreto da Prefeitura de Guaratuba Durará até 5 de ...

A partir de hoje (22), Guaratuba terá novas medidas reguladoras das atividades essenciais e não essenciais.

Geral


 

 

 

 


 

 

 

 

Previsão do Tempo

 

booked.net